VEREADORES À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS

Tudo nesta vida precisa de um tempo. É preciso aguardar o tempo que cada momento exige e necessita para que a formação total e absoluta de um resultado apareça.
A própria vida tem um tempo certo de espera entre a fecundação do óvulo e o nascimento de uma criança. Não é diferente com as plantas, com a construção de nossos sonhos ou mesmo com o resultado de uma atitude. Você entenderá por que estou escrevendo sobre isto e, se faz necessário esta breve introdução para o melhor entendimento daquilo que pretendo lhe informar.
Faz apenas uma semana que por determinação judicial, contrariando a vontade de uma maioria da população, Paulo Eccel foi afastado do cargo de prefeito de Brusque para que Roberto Prudêncio tomasse assento no executivo, por ser ele o presidente da Câmara Municipal de Vereadores.
No calor da emoção e no momento da saída de Paulo Eccel, juntamente com sua equipe, muitas palavras e gestos não convencionais foram replicados por vídeos nas redes sociais, vídeos que mostravam duas posturas distintas. A de quem estava saindo e a daqueles que entravam entrando.
Tudo tem um tempo para “amadurecer”e não foi tão longo o tempo que a população de Brusque precisou para avaliar as formas distintas de administrar. Seis anos e três meses de administração foram repensadas pela população em apenas uma semana. Óbvio que esta ansiedade, dúvida e preocupação teria que nascer e cobraria seu preço.
O preço desta decisão jurídica, que foi provocada por um grupo, apareceu publicamente na noite desta quarta-feira (08) na sessão ordinária legislativa.
Pasmem, os vereadores que eram oposição, isto mesmo, que eram! Agora não são mais oposição, agora são de situação, estão sendo cobrados por populares nas ruas, nos bares, nos bancos, nos eventos, em todos lugares que aparecem,  pois querem saber e têm todo dever de saber, por que os vereadores tiraram Paulo Eccel da prefeitura. A explicação que os vereadores deram na sessão da câmara é a mesma que eles dão nas ruas. “Não fomos nós que tiramos o prefeito, foi o judiciário”.
Ora, não sejam covardes e muito menos hipócritas. Se Paulo Eccel tivesse cometido um ilícito a população apoiaria os vereadores que compunham a coligação que foi derrotada nas urnas no pleito municipal. Não devemos esquecer que alguns vereadores que faziam parte da base aliada e mudaram de lado, também estão sendo cobrados.
O fardo, o peso e a responsabilidade de uma atitude leviana e arranjada no TRE e no TSE bate à porta para cobrar um altíssimo preço, daqueles que pulavam de alegria por assumir uma prefeitura inteiramente estruturada em obras, ações públicas, respaldo popular e claro, financeiramente com uma situação muito agradável.
Os vereadores que antes falavam e criticavam a administração municipal, hoje não sabem o que dizer para a população que quer uma explicação simples e verdadeira. Antes a administração era ruim, péssima, um caos, mas hoje os administradores municipais de Brusque não conseguem sequer, fazer nada que não seja continuar o que já vinha sendo realizado pelo governo que foi arrancado.
Não precisou muito tempo para o povo perceber e o novo prefeito interino pedir a retirada do projeto sobre a desafetação das áreas que serviriam para construção de cerca de 1.000 novas moradias. O projeto saiu de pauta, não será votado. De fato o que acontece com esta decisão é que o projeto das moradias pode ficar arquivado e esquecido.
Como os vereadores que estão apoiando o prefeito interino, aqueles que por intermédio de seus partidos políticos arrumaram cargos e vagas para seus indicados, terão a coragem de encarar a população e garantir que as obras vão continuar, que os postos de saúde continuarão tendo médicos, as escolas professores, e que Brusque está melhor do que estava antes.

Agora a luta saiu do campo político e passou para o campo popular. Pessoas que não votaram em Paulo Eccel, hoje estão inconformadas com sua saída do executivo e querem seu retorno, dizem que darão apoio e que se possível votariam em Paulo ou em um indicado seu. Como explicar este fenômeno. É muito simples! Paulo Eccel mostrou ao povo de Brusque e região que é possível formar uma equipe moldada pelo caráter e dignidade de uma liderança política que passa este exemplo aos seus comandados. É possível fazer uma administração com planejamento, competência e segurança quando o povo sabe o que quer.
E o que está preocupando os vereadores neste momento é que o povo sabe muito bem o que ele quer!

1 Commentário

Deixe sua opinião