Se precisar de uma ambulância “Abana”

Está acontecendo em Brusque encontros regionais para a Conferência Municipal de Saúde e participei de uma delas. Como de costume, formam-se grupos de discussão para levantamentos de informações de problemas e, sugestão de solução para estes. Estas propostas então serão compiladas em um grande encontro com todas as regiões do município e posteriormente discutidas à nível estadual e federal afinal, o dindin vem das três esferas (ao menos deveria). Pois bem, o grupo do qual fiz parte para o debate, estavam em sua maioria, servidores da saúde do município e pasmem, nem sei por onde começar de tanta precariedade e abandono, ah, já ia esquecendo, havia também uma representante do COMUSA, mas quando abria a boca não servia pra nada pois não sabia nem a diferença entre uma UBS e UPA 24h. Enfim, todos sabemos que tratar de saúde não é nada fácil para nenhum município mas também é sabido que uma boa dministração, que respeita seus munícipes, que encarou o desafio, queridos, ajoelhou tem que rezar, se vira nos trinta, ou esqueceu que fez uma campanha e suas promessas o elegeram! Mas vamos lá, à Conferência da qual participei. Como mencionado acima, várias situações de precariedade e abandono, vou me reportar apenas em uma que me chamou mais a atenção: ambulâncias paradas para transporte de usuários, servindo apenas para transporte de material, sabem por quê? Porquê se precisar de material de emergência, não tem! Além das ambulâncias não estarem mais devidamente equipadas com suporte básico de vida, os kit’s adquiridos e repassados às UBS’s em 2012… puf, tomou doril, lógico, não saberia precisar se de todas, mas ao menos da região que participei, os kit’s apresentaram “dor de cabeça” então, tomou doril, sumiu! Daí, você faz um questionamento: “certo,  e se precisar socorrer alguém de maneira mais complexa, como faz”? resposta: “abana”. Não estou aqui julgando os profissionais (não todos também né!), pois tenho certeza que a grande maioria se desdobra ao máximo para dar o seu melhor, então vou mais fundo na ferida pela falta de tais equipamentos para emergência, eis a questão, estes kit’s 2012 atenderam a PORTARIA Nº 3.161, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2011 (Dispõe sobre a administração da penicilina nas unidades de Atenção Básica à Saúde, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Não vou entrar aqui na discussão da penicilina, até porquê equipamentos e medicações contidos em um kit de primeiros socorros não serve apenas para penicilina, mas sim, para outros tipos de reação anafilática ou outro tipo de mal súbito. Pois bem, caro usuário (a) da saúde de Brusque que necessita ser “reanimado” em uma UBS ou ser transportado por uma ambulância da Secretaria de Saúde de Brusque em decorrência de um mal súbito, parabéns, ajoelha e… ABANA!

Deixe sua opinião