SC DÁ OS PRIMEIROS PASSOS EM DIREÇÃO À RECUPERAÇÃO DA SUA ECONOMIA

Santa Catarina dá os primeiros passos em direção à recuperação da sua economia, afirmou o presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), Glauco José Côrte, durante a inauguração do Centro Empresarial de Blumenau (CEB), realizada na noite desta terça-feira (21). Ele citou a produção industrial, que cresceu quase 6% em janeiro na comparação com o mesmo mês em 2016, as exportações, que aumentaram 23% no primeiro bimestre de 2017 em relação ao mesmo período no ano passado, além do emprego, que na indústria de transformação cresceu 2,6% nos dois primeiros meses do ano, significando quase 17 mil novos postos de trabalho.

“É cedo para projetarmos as tendências desse ano, mas, certamente, podemos afirmar que o País retoma, aos poucos, a sua trajetória, discreta e gradual de crescimento, cabendo a Santa Catarina situar-se entre os primeiros Estados alinhados a esse movimento”, disse. Côrte também destacou o índice de confiança do empresário industrial, que alcançou 55,5 pontos em março, ampliando a trajetória de crescimento iniciada em dezembro. “Temos grandes e complexos desafios pela frente, mas algumas reformas importantes estão em curso, como é o caso da trabalhista, da terceirização e da previdência”, salientou, lembrando a importância do programa de concessões do governo federal, que recentemente realizou leilão de quatro aeroportos brasileiros, incluindo o de Florianópolis.

Em seu pronunciamento, Côrte também registrou o empenho do ex-presidente da FIESC, Alcantaro Corrêa (in memoriam), para a concretização do Centro Empresarial e cumprimentou os filhos Larissa e Jovanco Corrêa, presentes à cerimônia.

“Este é um sonho que começou há muitos anos. Muito antes da aquisição do atual terreno já se falava na construção de um centro que abrigasse as entidades empresariais da cidade. Trata-se de um símbolo de união de uma classe que impulsiona Blumenau, o Vale do Itajaí e Santa Catarina”, afirmou o presidente do CEB, Ronaldo Baumgarten Jr.

Entre as entidades que integram o CEB estão: Simmmeb (Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico de Blumenau e Pomerode), Acib (Associação Empresarial de Blumenau), Sintex (Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem de Blumenau), Sinduscon (Sindicato das Indústrias da Construção Civil de Blumenau), Setcesc (Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística no Estado de Santa Catarina), Sindasseb (Sindicato das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas de Blumenau), Sindigraf (Sindicato das Indústrias Gráficas de Blumenau) e Sincavi (Sindicato do Comércio Atacadista do Vale do Itajaí).

Comércio com a Áustria: Antes da cerimônia no CEB, o presidente da FIESC reuniu-se com o cônsul-geral e comercial da Áustria no Brasil, Klaus Hofstadler, e o cônsul honorário da Áustria em Blumenau, Mauro Kirsten, no SENAI em Blumenau. Eles debateram o aumento bilateral do comércio e dos investimentos, além de discutir temas ligados à educação e saúde e segurança do trabalhador.

“Temos interesse em ampliar nosso contato e o intercâmbio comercial com a Áustria”, disse Côrte, lembrando que Treze Tílias aproxima Santa Catarina do País europeu. Ele também destacou a atuação da Investe SC, a agência de atração de investimentos que é resultado de uma parceria entre a FIESC e o governo de SC.

Klaus ressaltou que boa parte das empresas austríacas de pequeno e médio portes são familiares, o que lembra o modelo catarinense. Além disso, disse que a Áustria pode ser um caminho para ampliar as exportações à União Europeia, mas especialmente para a Europa Oriental, que reúne países com os quais os austríacos, historicamente, têm boas relações.

Em 2016, Santa Catarina exportou US$ 11,1 milhões à Áustria. Os embarques foram de motores e geradores elétricos, bombas de ar, partes de calçados e carnes e miudezas. No período, as importações catarinenses do país europeu totalizaram US$ 66 milhões. Os principais produtos comprados foram água gaseificada, motores de pistão, refrigeradores e congeladores e fios de fibras artificiais.

 

Deixe sua opinião