Saúde garante recursos para o mutirão de cirurgias eletivas em 2017

Quarta-feira (25) o secretário da Saúde de Santa Catarina, Vicente Caropreso, participou da primeira assembleia do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (CONASS) em 2017, em Brasília.

De acordo com o secretário, o ministro Ricardo Barros colocou como meta principal a regionalização da saúde pública. “Como profundo conhecedor da Saúde Pública, sempre defendi a regionalização da saúde. Entendo que devemos incentivar os consórcios intermunicipais como forma de contornar as deficiências do atendimento e tornar a distribuição de verbas mais justa e mais bem aproveitada entre os municípios, que sofrem com a má distribuição de recursos. Para corrigir estas distorções, é importante levar em conta as reais vocações e estrutura das instituições de saúde existentes nos municípios de cada região, para inseri-las produtiva e economicamente na estrutura do atendimento público de saúde, sempre priorizando o paciente”, explica Caropreso.
Na reunião do Conass também houve a apresentação e discussão da Portaria n.10 de 2017, que redefine as diretrizes de modelo assistencial e financiamento de Upa 24 horas como componente da Rede de Atenção às Urgências no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). A situação da febre amarela no Brasil também foi analisada no encontro, assim como o apoio do Conass às Secretarias de Estado da Saúde (SES) na Assistência Farmacêutica.
No período da tarde, os secretários de Estado da Saúde, Vicente Caropreso, e o de Articulação Nacional, Acélio Casagrande, estiveram em audiência com o ministro da Saúde. Na ocasião, Caroprese solicitou recursos para o mutirão de cirurgias que hoje gira em torno de R$ 6 milhões por mês custeado apenas pela Secretaria da Saúde de Santa Catarina. “Haverá um reforço de R$ 340 milhões para cirurgias eletivas em todo o país, e nós vamos levar parte disso. Precisamos de R$ 72 milhões para as cirurgias eletivas de todo o ano de 2017. O ministro analisará a proposta e verá se é viável. Saí muito contente e acredito que podemos ter incrementado nosso bolo orçamentário para atender a quem espera por cirurgias eletivas no estado”, explica Caropreso.
Os secretários solicitaram o aumento do valor de repasses per capita para Santa Catarina, que atualmente é muito desigual aos estados do Paraná e do Rio Grande do Sul. “Temos um modelo focado no credenciamento de novos serviços e estamos habilitando tudo que é possível para Santa Catarina, chegando a R$ 32,5 milhões por mês em novos credenciamentos”, completou o ministro. “Em Santa Catarina, a demanda de solicitações de mamografias a partir dos 40 anos é grande e a situação atual do SUS só contempla mulheres dos 50 aos 69 anos”, disse Caropreso. O ministro da Saúde analisará esta situação, pois, segundo ele, não existem políticas públicas referentes a isso no momento.

Deixe sua opinião