Rosemari Glatz e Sérgio Rubens Fantini assumem a reitoria da UNIFEBE

A professora Rosemari Glatz e o professor Sérgio Rubens Fantini assumiram a presidência da Fundação Educacional de Brusque (FEBE) e a reitoria do Centro Universitário de Brusque (UNIFEBE) na noite de terça-feira, 9 de abril.

A solenidade de posse foi realizada no Teatro da Paróquia São Luís Gonzaga e contou com o prestígio de diversas autoridades políticas e acadêmicas e de entidades de classe de toda a região. Acadêmicos, professores e funcionários também participaram do evento. A FEBE é mantenedora da UNIFEBE e do Colégio Universitário de Brusque.

O trabalho da nova gestão será pautado em quatro pilares:  Foco no aluno; equilíbrio econômico-financeiro; investimento em inovação e tecnologia vocacional para o desenvolvimento sustentável e educação com qualidade. O principal desafio à frente da Instituição, a curto prazo, será iniciar a construção do prédio da saúde e realizar o projeto coletivo de humanização do campus da Instituição, com espaços de convivência.

Professores da UNIFEBE há mais de 20 anos, Rosemari e Fantini foram eleitos em novembro de 2018 com 94% dos votos para assumir a função desempenhada nos últimos oito anos pelo professor Günther Lother Pertschy.

Satisfação e responsabilidade

Rosemari enfatiza que é com grande satisfação e orgulho e também com o peso da responsabilidade que assume a reitoria da UNIFEBE e a presidência da FEBE. Ela é a 6ª pessoa a assumir a presidência da Fundação e a 3ª da reitoria do Centro Universitário.

— A FEBE é nossa, é daqui. Ao longo dos últimos 46 anos foi construída a muitas mãos e com o esforço e abnegação de muitos. Ela pertence à comunidade. Juntos, somos mais fortes, e nossa missão frente à Instituição é maior do que nossos sonhos e planos particulares. Num gesto de amor e doação, posso afirmar que estamos aqui para servir, e não para sermos servidos — ressalta.

A reitora destaca que de forma colaborativa investirá em inovação e tecnologia para promover conexões e fazer com que a UNIFEBE seja um centro de referência em educação inovadora pautada na vocação regional.

— Nesta perspectiva, o primeiro desafio será realizar uma revisão geral dos cursos, intensificando o uso de metodologias ativas, num mix entre o ensino criativo e tradicional, com mais práticas, num novo jeito de aprender e ensinar, buscando entregar conhecimento em forma de inovação. E isso envolve quebra de paradigmas e mudança cultural — afirma.

Rosemari também ressalta que a família, a comunidade e as empresas são parte importante do processo de formação do aluno e que o objetivo é que a comunidade viva mais a Instituição, que se sinta comprometida e participativa e ajude a consolidar e manter o espaço coletivo.

Fantini salienta que entre as atribuições do vice-reitor está a de zelar pelo cumprimento da legislação, e que a principal meta é oferecer ao estudante motivos para que sinta orgulho da Instituição, e que além de uma formação com qualidade, possa levá-la no seu coração.

— Que nossos acadêmicos, no seu último dia de aula, além dos fogos de artificio que costumeiramente são registrados no término da graduação, tenham o sentimento de dever cumprido e a vontade de permanecer — destaca.

O vice-reitor da UNIFEBE ainda agradeceu Pertschy e todos os envolvidos na transição por terem oportunizado o repasse das informações de forma transparente.

— Também agradeço as forças divinas pela vida e pela saúde, e que estas forças nos ajudem e nos iluminem para que as decisões sejam para o bem da Instituição e da nossa comunidade — finaliza.

Ex-reitor nas duas últimas gestões, Pertschy afirma que deixa a UNIFEBE com o sentimento de dever cumprido e de felicidade por ter colaborado ao máximo.

— Durante a gestão, avançamos muito e colocamos a UNIFEBE em outro patamar. Respeitamos sempre nossos talentos humanos, investimos em tecnologia e inovação. Deixo a Instituição, mas sei que permanece em boas mãos — salienta.

Prioridades da gestão

– Universidade comprometida com a região, aliando ensino criativo e tradicional;

– Atenção para aspectos culturais;

– Interesse coletivo acima do individual;

– Revisão geral dos cursos, com introdução de metodologias ativas;

– Ambiente interativo, colaborativo e sustentável, para potencialização de conexões entre atores do ecossistema de inovação e tecnologia;

– O espaço será otimizado para favorecer a integração e a descompressão;

– Aproximação com as empresas. Aporte de recursos das empresas para subsidiar o estudo de alunos;

– Fortalecimento das parcerias internacionais com foco na pesquisa e inovação.

Deixe sua opinião