Polícia Civil recupera objetos de vítimas do golpe do bilhete em Balneário Camboriú

A Polícia Civil , por meio da 6ª Delegacia de Polícia de Joinville, com auxílio de policiais da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Joinville e da Delegacia da Comarca de Balneário Camboriú, deflagrou operação para cumprimento de Mandados de Busca e Apreensão e prisão de uma quadrilha especializada no chamado “Golpe do Bilhete Premiado”. A Ação foi deflagrada em Balneário Camboriú na manhã desta terça-feira (22).

No início da manhã desta terça-feira, a Polícia Civil foi até a residência de dois homens suspeitos de praticar os golpes, a fim de cumprir Mandados de Prisão e de Busca e Apreensão mas ambos não estavam em casa e são considerados foragidos. No local, os policiais civis encontraram joias, bilhetes de loteria, comprovantes de aposta, documentos de diversas pessoas e 16  aparelhos celulares. Os golpistas agiam em várias cidades do estado, sendo conformados crimes da dupla em Joinville, Gaspar, Indaial e Itapema.

Segundo o Delegado de Polícia Rodrigo Bueno Gusso, responsável pela operação, um dos golpistas aborda as vítimas, preferencialmente idosos, nas proximidades de instituições financeiras, fazendo-se passar por uma pessoa do interior, simples e de baixa instrução. O criminoso então fala ter sido sorteado na Quina, mas afirma que não consegue sacar o valor ou que estaria sem documentos.

Um segundo envolvido no crime se aproxima, normalmente bem vestido, perguntando se precisam de ajuda. Inteirado da situação, finge ligar para um conhecido da Caixa Econômica Federal ou para uma casa lotérica, que confirma os números do suposto “bilhete premiado”. A partir daí, o segundo envolvido se mostra interessado e faz uma proposta a vítima, de comprarem o bilhete do primeiro golpista. Depois de muita conversa, os criminosos convencem a vítima que acaba sacando o dinheiro e entregando aos criminosos. Normalmente, os golpistas aplicam os golpes em cidades diferentes da que moram.

Qualquer informação sobre golpes aplicados deve ser comunicada a Polícia Civil através do Disque Denúncia 181 ou pelo Whatsapp (48) 98844-0011.

Deixe sua opinião