PM receberá recursos para instalação de câmaras no uniforme de policiais

 

A Polícia Militar poderá implantar câmeras individuais nos uniformes dos policiais em operações nas ruas. Os recursos serão liberados pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina, que anunciou, na manhã desta quinta-feira, 26, um pacote de medidas para ajudar a combater a onda de criminalidade no Estado.

A instalação de câmaras no fardamento representa um custo de R$ 6,4 milhões. O Judiciário também financiará, de início, a expansão de um sistema que permite a realização de inquéritos pela Polícia Civil por meio audiovisual, orçado em R$ 2 milhões. Os recursos serão das transações penais, penas pecuniárias que substituem a prisão em crimes de menor potencial ofensivo, aplicadas pelos juízes nas 111 comarcas do Estado.

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Carlos Alberto de Araújo Gomes Júnior, falou da importância da iniciativa do TJ. “Com as câmeras individuais nos uniformes dos policiais poderemos filmar as interações da PM com o cidadão durante as ocorrências, ajudando na hora de colher provas em flagrantes e evitando falsas acusações contra policiais”, disse.

TJ VAI CRIAR VARA EM JOINVIILE

Segundo o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Rodrigo Collaço, que fez o anúncio do pacote durante a abertura do Seminário “Estratégias Integradas de Segurança Pública: os Poderes do Estado unidos no combate à criminalidade em Santa Catarina”, em Florianópolis, também será criada uma Vara do Tribunal do Júri na Comarca de Joinville, maior cidade de Santa Catarina. No município, cerca de 600 processos desta natureza aguardam vazão. O investimento estimado é de R$ 600 mil/ano.

Por fim, Colaço garantiu que a atual unidade do crime organizado, em regime de exceção, será transformado em uma vara oficial, com juiz titular e permanente na sua administração. “Dentre tantas divergências que costumam marcar esta discussão, creio ser consenso que somente com a união de esforços será possível enfrentar e vencer a crise na segurança pública”, comentou o presidente do TJ.

*Com informações do TJ/SC

 

Deixe sua opinião