Para Fiesc, redução da tarifa do gás natural em Santa Catarina vai trazer alívio para a indústria

Com ociosidade no setor, redução dos custos vai dar fôlego e competitividade na produção. Redução de preço para a indústria foi de 24,8%

O presidente da Câmara de Assuntos de Energia da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), Otmar Muller, classificou a redução da tarifa do gás natural em Santa Catarina como “expressiva” e um “alívio para as indústrias”. Para ele, a medida é muito bem-vinda pois vai trazer redução de custos em um momento de ociosidade do setor. A expectativa é de que a queda no preço do petróleo -que causou a redução do gás- também puxe para baixo o custo de outras formas de energia no estado.

Segundo Muller, a indústria sai beneficiada, principalmente aquelas que tem maior demanda de geração de calor. Ele elogiou o trabalho da Aresc (Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina) e disse que a medida só foi possível por uma “nova metodologia, que deu transparência ao processo”. Com os novos valores, Santa Catarina passa a ter o gás natural mais barato entre os estados do Brasil.

A redução da tarifa do gás natural foi anunciada pelo governador Raimundo Colombo e pelo presidente da SCGás, Cosme Polêse, no último dia 17. Entre os setores envolvidos, a indústria (-24,8%) teve uma das maiores reduções. As outras foram para o gás veicular (-24,98%), o setor comercial (-15,45%) e o residencial (-11,62%). Para os veículos movidos a gás natural, o repasse da redução de preços depende de cada posto de combustíveis.

A medida foi tratada pelo Governo do Estado como fundamental para auxiliar na redução dos efeitos da crise econômica. Colombo defendeu que, com a redução, o produto catarinense será fabricado com a mesma qualidade, mas com um custo menor.”Ter a tarifa mais barata do Brasil ajuda o estado a atrair novos empreendimentos e fomentar a economia local”, concluiu.

Deixe sua opinião