Operação “Reciclagem” continua investigação sobre suposta corrupção na coleta de lixo em municípios catarinenses

Deflagrada pela Procuradoria-Geral de Justiça, a operação está na fase das oitivas das testemunhas. Todos os nove mandados de busca e apreensão e os quatro ordens judiciais para acesso imediato a documentos públicos e privados já foram cumpridos.
A Operação “Reciclagem” deflagrada pela Procuradoria-Geral de Justiça, na manhã de terça-feira (10/04), está na fase da escuta das testemunhas. Com apoio do  Grupo Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas Catarinense (GAECO/SC), foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão em empresas e em residências nos Municípios de Bombinhas, Gaspar, Rio do Sul, Timbó, Ituporanga, Rio do Sul  e Lontras.
Também foram cumpridas mais quatro ordens judiciais para o acesso imediato a documentos em órgãos públicos nas prefeituras de Bombinhas, Rio do Sul e Ituporanga e no Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí (CIMVI), em Timbó. Todos os mandados foram expedidos pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina a pedido da Subprocuradoria-Geral Jurídica.
A Operação “Reciclagem” decorre de investigações realizadas desde abril de 2017 pelo GAECO e visa apurar crimes praticados contra a administração pública – como concussão, corrupção ativa e passiva, tráfico de influências, advocacia administrativa, prevaricação, entre outros delitos correlatos. Dentre os investigados estão servidores públicos, empresários e pessoas ligadas ao ramo da coleta de resíduos.
Participam da operação integrantes dos núcleos do GAECO de Itajaí, Capital, Criciúma, Joinville e Blumenau. O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) é uma força-tarefa formada pelo Ministério Público de Santa Catarina, pelas Polícias Civil e Militar, pela Secretaria de Estado da Fazenda e outras instituições parceiras.

OPERAÇÃO RECICLAGEM

A operação foi batizada de “Reciclagem” em razão da forte suspeita do envolvimento de empresários do ramo da coleta de resíduos com os fatos e crimes investigados.

Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social

Deixe sua opinião