O trânsito e o ser humano

Infelizmente mal começou o mês de dezembro, derradeiro mês do ano, e os acidentes de trânsito continuam causando vítimas! Esta semana, na terça e quarta-feira, dias 05 e 06/12, ocorreram mais dois acidentes gravíssimo que repercutiram nas redes sociais e meios de comunicação de Brusque, um na rua do Cedro, bairro Dom Joaquim, onde um veículo chocou-se contra um poste da rede pública de energia elétrica, vindo a ferir gravemente uma criança de sete anos de idade, já no outro acidente, dois veículos colidiram-se entre si na rodovia Antônio Heil, localidade do Monte Serrat, bairro Centro II, onde aparentemente, apesar da violência do acidente e dos danos materiais causados, perda total em ambos veículos, mas os condutores aparentemente não sofreram lesões graves.

Detalhando um pouco mais cada um destes acidentes, ressalta que o automóvel que chocou-se com o poste, o seu condutor, apesar de estar com sua família no veículo, dirigia embriagado, além da criança de sete anos de idade provavelmente não estava usando o cinto de segurança, pois sofrera ferimento grave na cabeça e suspeita de traumatismo crânio encefálico, pois ainda ao observar a imagem frontal do veículo observa-se que o para-brisa está com trincas em formato arredondado causado provavelmente pela projeção da criança contra o mesmo, ou seja, o pai e condutor foi no mínimo duplamente irresponsável.

Já no segundo acidente do Mont Serrat, segundo versão de um dos condutores, um garoto de 19 anos de idade, seu “…carro derrapou em virtude da chuva e acabou colidindo…”, um acidente que poderia ter ocasionado vítimas fatais a exemplo de outro muito similar ocorrido no mesmo local em maio deste ano que vitimou fatalmente uma jovem de 21 anos de idade. Será que ele, o condutor, não percebeu que estava chovendo e sendo assim teria que reduzir a velocidade? Será que estava transitando numa velocidade compatível com a via e as condições climáticas? Será que ele não estava manuseando celular ou outro objeto qualquer de forma a tirar-lhe a atenção? Enfim… com certeza não agiu com responsabilidade e prudência.

Dois casos gravíssimos de acidente que aparentemente ainda não decorreram em danos maiores, mas com grande potencial de ter causado! Diante destes dois cenários lanço a pergunta: será que devemos chamar ambos de acidente? Ou devemos classificar como ações de irresponsabilidades e imaturidade do bichinho ser humano? Quando é que vamos acordar e ser mais maduro e responsáveis em nossas atitudes? Lembrando que podemos ser a próxima vítima!

Então vamos fazer cada um a sua parte, agindo com mais maturidade e responsabilidade cumprindo com os nossos deveres de cidadão, respeitando e fazendo respeitar a legislação. Não dirigindo embriagado, usando sempre e corretamente o cinto de segurança, fechando a cinta jugular do capacete, não utilizando o celular enquanto dirige, dirigindo com segurança, enfim… sendo exemplo, pois “palavras ensinam, mas o exemplo arrasta.

FAÇAMOS A NOSSA PARTE!

Otávio Ferreira

Deixe sua opinião