GUABIRUBA VOLTA A COBRAR AÇÕES DA CASAN

O estudo sobre as necessidades de investimentos a médio e longo prazos por parte da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento – Casan para Guabiruba deverá ser entregue pelo próprio presidente, Valter Gallina, no dia 15 de abril, às 9h30, na Prefeitura Municipal. O prazo foi dado por Gallina na tarde de segunda-feira, 9, durante reunião em seu gabinete, em Florianópolis, com o prefeito de Guabiruba Matias Kohler, presidente da Câmara de Vereadores, Felipe Eilert dos Santos, e diretor geral da Agência Intermunicipal de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos Municipais do Médio Vale do Itajaí – AGIR, Heinrich Luiz Pasold. Na reunião, as lideranças políticas cobraram prazos e ações efetivas para a solução dos problemas enfrentados pelo município em relação à Companhia.
Foram apresentadas fotos da turbidez da água de usuários que enviaram seus relatos para a Prefeitura e que registraram reclamação do Procon. Também foi cobrado o prazo para a conclusão do estudo técnico das melhorias necessárias, previsto para ser entregue em janeiro deste ano, estimativa repassada ao município durante visita de Gallina à Prefeitura em setembro de 2014. Naquela ocasião, foram anunciados investimentos de aproximadamente R$ 285 mil, sendo R$ 200 mil para o projeto de Sistema de Produção, que indicaria a necessidade de investimentos e cerca de R$ 85 mil para serem aplicados de na reforma da Casa de Química.
PRAZO DE 15 DE ABRIL SERÁ O ÚLTIMO TOLERADO PELO MUNICÍPIO
O presidente da Casan alegou que o atraso do estudo técnico de pouco mais de um mês é considerado normal e que a população de Guabiruba irá sentir as melhorias com a aplicação do projeto. “O projeto é para melhorar a qualidade e quantidade da água. É bom que se diga que turbidez de água não tem nada a ver com a qualidade de água. A água é potável, porém mais turva, senão não estaríamos distribuindo esta água. Mas o novo estudo é para eliminar também a turbidez da água”, disse Gallina.
Para o presidente da Câmara, a cobrança foi necessária e a união entre Legislativo e Executivo resulta em mais força nas reivindicações feitas em prol do município. “O presidente da Casan afirma que a água, apesar de turva, é de boa qualidade. Mesmo sendo, não serve para que seja usada no dia a dia do guabirubense, como lavar uma roupa, uma louça”, pontuou Santos, destacando as inúmeras reclamações que chegam à Câmara sobre o assunto e reforçando que o Legislativo participará das negociações entre Casan e município de Guabiruba.
Conforme o prefeito, o prazo de 15 de abril será o último a ser tolerado pelo município, considerando as inúmeras reclamações e dificuldades no abastecimento de água na cidade. “Se após esta data não tivermos a certeza de que a Casan cumprirá com suas obrigações, só nos resta a alternativa da municipalização dos serviços de tratamento e abastecimento de água em Guabiruba”, anunciou Kohler.
DIRETOR GERAL DA AGIR DIZ QUE SITUAÇÃO MAIS CRÍTICA É DE GUABIRUBA
Dos município que integram a AGIR, a situação mais crítica, segundo o diretor geral, é de Guabiruba. “Muitos municípios já passaram por essa situação e as dificuldades foram sendo resolvidas”, destacou Pasold.

Conforme ele, a AGIR acompanha anualmente todos os trabalhos feitos pela Casan. “No caso de Guabiruba verificamos o problema da água e as melhorias que devem ser apresentadas. Nos próximos dias será feita a segunda verificação nos municípios, que a gente chama de Fiscalização de Campo, momento em que a Casan é notificada para apresentar o que fez ou deixou de fazer”, ressaltou o diretor geral da AGIR.

Deixe sua opinião