Guabiruba chama a atenção para o trânsito com campanha Maio Amarelo

Quem circular pela rua Brusque, em Guabiruba, ou frequentar estabelecimentos públicos, como Prefeitura, Câmara Municipal ou Casa da Cidadania vai perceber grandes laços amarelos colocados em postes de iluminação pública e na recepção dos estabelecimentos. O símbolo refere-se à campanha Maio Amarelo, cujo objetivo é colocar em pauta o tema trânsito e chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. Em Guabiruba, foram mais de 50 feridos em acidentes e de três óbitos em 2017.

Embora a Semana Nacional do Trânsito seja em setembro, o maio é escolhido para a campanha pois em 11 de maio de 2011, a Organização das Nações Unidas (ONU) decretou a Década de Ação para Segurança no Trânsito. Com isso, o mês de maio se tornou referência mundial para balanço das ações que o mundo inteiro realiza. Já a cor amarela simboliza atenção e também a sinalização e advertência no trânsito.

Conforme a coordenadora da GBTRAN de Guabiruba, Mariana Reis, a campanha serve de alerta aos usuários do trânsito, que são os principais responsáveis pelos acidentes. “Nesses laços colocamos frases sobre a imprudência, que é a principal causa dos acidentes, reforçando a importância da responsabilidade do usuário, pois o trânsito deve ser utilizado para ir e vir com segurança”, reforça.

Deixar de usar o cinto de segurança é o que tem resultado em maior número de infrações em Guabiruba. Das 941 infrações registradas no Detran de 3 de maio de 2017 a 3 de maio de 2018, 258 (27,42%) são por falta do uso do cinto de segurança. Já conduzir o veículo sem o devido licenciamento correspondeu a 131 (13,92%) multas e dirigir com o celular 102 (10,84%).

Infrações registradas

Período 03/05/17 a 03/05/2018

Deixar o condutor de usar o cinto segurança: 258 – 27,42%

Cond. veículo registrado que não esteja devidamente licenciado: 131 – 13,92%

Dirigir veículo manuseando telefone celular:  102 – 10,84%

Usar no veículo som que perturbe sossego público: 99 – 10,52%

Estacionar no passeio: 94 – 9,99%

Dirigir veículo sem possuir CNH/ PPD / ACC: 88  – 9,35%

Multa por não identif.do infrator, imposta à pessoa jurídica: 46 – 4,89%

Dirigir veículo utilizando telefone celular: 44 – 4,68%

Dirigir veículo c/ CNH ou PPD vencida há mais 30 dias: 42 – 4,46%

Permitir posse/condução do veículo a pessoa sem CNH/PPD/ACC: 37 3,93%

Total de infrações: 941

Saiba Mais

(Fonte: maioamarelo.com)

A Assembleia-Geral das Nações Unidas editou, em março de 2010, uma resolução definindo o período de 2011 a 2020 como a “Década de Ações para a Segurança no Trânsito”. O documento foi elaborado com base em um estudo da Organização Mundial da Saúde que contabilizou, em 2009, cerca de 1,3 milhão de mortes por acidente de trânsito em 178 países. Aproximadamente 50 milhões de pessoas sobreviveram com sequelas.

São três mil vidas perdidas por dia nas estradas e ruas ou a nona maior causa de mortes no mundo. Os acidentes de trânsito são o primeiro responsável por mortes na faixa de 15 a 29 anos de idade; o segundo, na faixa de 5 a 14 anos; e o terceiro, na faixa de 30 a 44 anos. Atualmente, esses acidentes já representam um custo de US$ 518 bilhões por ano ou um percentual entre 1% e 3% do Produto Interno Bruto (PIB) de cada país.

Se nada for feito, a OMS estima que 1,9 milhão de pessoas devem morrer no trânsito em 2020 (passando para a quinta maior causa de mortalidade) e 2,4 milhões, em 2030. Nesse período, entre 20 milhões e 50 milhões de pessoas sobreviverão aos acidentes a cada ano com traumatismos e ferimentos. A intenção da ONU com a “Década de Ação para a Segurança no Trânsito” é poupar, por meio de planos nacionais, regionais e mundial, cinco milhões de vidas até 2020.

Deixe sua opinião