Fundema e IMA intensificam investigação sobre mancha escura no Itajaí Mirim

A Prefeitura de Brusque, por meio da Fundação Municipal do Meio Ambiente (Fundema), esclarece que, nas últimas horas, intensificou o trabalho de fiscalização em várias empresas da cidade, visando identificar as causas da mancha com alto teor de coloração escura que foram registradas nos dias 13 e 17 de julho no rio Itajaí Mirim.
A ação está sendo feita em conjunto com o Instituto do Meio Ambiente (IMA) de Santa Catarina (antiga Fatma), integrando os órgãos ambientais municipal e estadual. Algumas empresas deverão apresentar documentações e prestar esclarecimentos, dos quais, poderão surgir as suspeitas dos danos ambientais. Ainda nesta terça-feira (17), fiscais do IMA estiveram em Brusque auxiliando a Fundema no trabalho de identificação e fiscalização.
Sobre as análises químicas no momento do derrame, foram constatados que, apesar do grave impacto da mancha escura no manancial, não houve elevados graus de elementos tóxicos da água. O Serviço Municipal de Água, Saneamento Básico e Infraestrutura (Semasa) de Itajaí, autarquia que trata e distribui água utilizando o rio Itajaí Mirim, informou que não houve paralisação do tratamento, sendo que as manchas foram dissipadas antes do ponto de captação.
“Ainda não identificamos os poluidores e nenhuma empresa foi multada em flagrante, mas nossa investigação continua e queremos o mais breve dar uma resposta para a sociedade. A preocupação com o meio ambiente em que vivemos é uma responsabilidade de todos”, comenta Paulo da Silveira Mayer, diretor da Fundema.

Deixe sua opinião