Expectativa pelas eleições faz empresas represarem investimentos

A confiança dos empresários das pequenas, médias e grandes indústrias de Santa Catarina se manteve estável em setembro. Segundo pesquisa da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), o índice de confiança registrou 53,7 pontos, na escala de 0 a 100. Em agosto, o índice foi de 53,8 pontos.

Para o coordenador do Observatório da Indústria da Fiesc, Sidnei Manoel Rodrigues, o dado é um reflexo da incerteza do empresário quanto às eleições de outubro. Nesta época, diz ele, é natural que as empresas adiem os investimentos para depois do pleito. Mas Rodrigues crê que, até o final do ano, as indústrias destravem novas contratações, tecnologias, e mudanças nos processos de produção. “Quando se tem mais clareza do futuro, as pessoas voltam a consumir mais”, diz.

Os setores mais beneficiados devem ser os da construção civil, alimentos, e lazer, que são gastos imediatos dos consumidores. Além disso, a aproximação do Natal e do final do ano deve movimentar o comércio e, por consequência, a indústria.

A confiança dos empresários catarinenses é maior nas empresas de grande porte, com o índice de 54,9 pontos. Entre as empresas de pequeno porte, houve crescimento de 1 ponto. Já nas empresas de médio porte, o crescimento do indicador foi de 1,3 pontos, registrando 52,6 pontos no mês.

A confiança do industrial catarinense ficou muito próxima da confiança do industrial brasileiro, que registrou 52,8 pontos em setembro. Para Rodrigues, a dúvida quanto ao próximo governo guia todos os estado e, por isso, esse patamar está tão próximo da média.

Deixe sua opinião