Empresas&Negócios

Lei da Arbitragem

A arbitragem auxilia a criar a cultura de que você é capaz de resolver problemas sem precisar do beneplácito do Estado, envolvendo matérias que você pode submeter não só à arbitragem, mas à conciliação e à mediação. A análise é da advogada Selma Lemes, membro da Comissão Relatora da Lei de Arbitragem no Brasil, que completou 20 anos no mês de setembro do ano passado.

Empresas excluídas

A Bovespa acaba de divulgar uma lista de 15 empresas que serão excluídas na listagem da Bolsa. O cancelamento ocorrerá em 6 de março. A suspensão ocorre pelo descumprimento recorrente de normas da companhia como não entregar informações financeiras ou ter ações negociadas por menos de R$ 1, que tornam a Bolsa mais volátil. Uma das empresas suspensas é a Cia. Industrial Schlosser, de Brusque.

Chemizz Camisaria

Os shoppings atacadistas de Brusque liquidam a coleção verão, para em março, lançar as novidades outono/inverno. Não é por menos que o polo é considerado o maior da região sul, recebendo cerca de 1,5 mil lojistas por dia, nos três empreendimentos da cidade, que abastecem a maioria das lojas catarinenses. De olho neste filão, que envolver uma grande circulação de clientes, a Chemizz Camisaria, que depois de oito anos em Blumenau, mudou para Brusque. Inaugurou fábrica nova e loja conceito na cidade junto ao polo atacadista. O objetivo é investir pesado neste mercado e expandir os negócios para outras regiões. No próximo mês, a Chemizz lança a nova coleção Pas à Pas, inspirada em uma canção parisiense e ainda este ano deve inaugurar uma filial no litoral.

Começam as obras da GM

Guindaste indica que começaram as obras de construção da segunda fábrica da GM em Joinville. A companhia anunciou em dezembro que vai erguer unidade de motores completos, investimento superior a R$ 1 bilhão. A fábrica deverá ficar pronta em janeiro de 2018. Vai produzir 280 mil motores por ano, deslocando para Joinville toda a produção de motores da montadora, atualmente espalhada por quatro unidades. A cidade catarinense se tornará em 2018, referência nacional na fabricação de motores da multinacional norte-americana.

Jaraguá entre as piores

Jaraguá do Sul foi a segunda cidade do Estado que mais cortou postos de trabalho em 2016. Segundo dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (Caged), de janeiro a dezembro houve redução de 3.975 empregos. Só Florianópolis eliminou mais, com 4.654 vagas fechadas no período. Esse ranking considera os municípios com mais de 30 mil habitantes. Araquari com 638 empregos gerados e Itapema com 634, foram as duas cidades que mais vagas abriram, no saldo de admissões e demissões durante o ano de 2016. Brusque fechou 951 vagas ano passado, com 19.737 admissões para 20.688 demissões. O setor da indústria foi o principal alvo no saldo das demissões, com 961 empregos a menos.

Roleta

Até onde os radares permitem captar, Balneário Camboriú está dentro da área de investimentos de um grupo norte-americano e um francês nas instalações de cassinos. Mas tudo está condicionado a liberação do jogo, com projetos em tramitação no Congresso Nacional.

Dívida Pública Federal

A DPF (Dívida Pública Federal) pode chegar a R$ 3,65 trilhões em 2017. Segundo o Plano Anual de Financiamento da dívida pública para este ano, divulgado pelo Tesouro Nacional, o endividamento poderá encerrar este ano entre R$ 3,45 trilhões e R$ 3,65 trilhões. A dívida fechou 2016 em R$ 3,113 trilhões. O número representa uma alta de 11,45% no endividamento em relação a 2015.

Arrecadação federal

Com a crise econômica, a arrecadação federal somou R$ 1,289 trilhão no ano passado, o pior resultado desde 2010, segundo a Receita Federal. Na comparação com 2015, a queda real (retirado o efeito da inflação) foi de 2,97%. Foi o terceiro ano seguido de queda.

Pagamento de boletos

A partir de março, os boletos bancários poderão ser pagos em qualquer banco mesmo após o vencimento. A mudança foi divulgada pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), que, em parceria com a rede bancária, está desenvolvendo um novo sistema de liquidação e compensação para os boletos bancários, alvo de fraudes milionárias.

Multilog entre as melhores

A Multilog, empresa com sede em Itajaí que faz o transporte e o armazenamento de cargas e mantém um centro logístico e industrial aduaneiro também em Joinville, conquistou o terceiro lugar no ranking das Melhores Empresas para Trabalhar em SC em 2016. A pesquisa é realizada pela Revista Amanhã, em parceria com a Consultoria GreatPlaceToWork. Foi a terceira vez que a Multilog apareceu na lista. A Resultados Digitais, de Florianópolis, que atua na área de TI e software, venceu a categoria.

ZM e a chinesa Lifan

A ZM, com sede em Brusque, avança no mercado automotivo, trabalhando constantemente em novos produtos e tecnologias. A empresa conta com novos desenvolvimentos, tais como: polias ativas para alternadores e induzidos para motores de partida, além da ampliação e do fornecimento de motores e alternadores diretamente para as montadoras de veículos. A ZM, com capital 100% brasileiro, assinou contrato com a montadora chinesa Lifan e irá fornecer motores de partida e alternadores para o veículo destaque da marca: X60, o carro mais vendido naquele país no último ano. Desde 2012, a Lifan Motors assumiu a operação de sua marca no Brasil. Em consequência ao crescimento, a ZM contará, a partir deste ano, com uma nova sede. Serão 50 mil m2, minuciosamente planejados, para atender a demanda de qualidade e agilidade exigidas pelo mercado mundial.

Cobrança de energia

O administrador judicial da massa falida da Buettner apresentou pedido que foi aceito pelo juiz Edemar Leopoldo Schlosser, o qual consiste em revisão dos valores que estão sendo cobrados pela Celesc, referentes ao consumo de energia elétrica no parque fabril. Atualmente, há duas locatárias que ainda estão fazendo os trâmites legais para que as faturas de energia sejam cobradas em seus respectivos nomes. Enquanto isso, determinou o magistrado, a Celesc não pode cobrar a energia da massa falida, nem promover cortes no fornecimento, como foi relatado ter acontecido.

ICMS da energia elétrica

Afinal, como ficou a questão do tal ICMS da energia elétrica em SC, que não entrou no bolo a ser repartido com os municípios, poderes e órgãos do Estado e foi “remanejado”, a pedido do governo, ao Fundosocial? O TCE considerou a manobra ilegal, embora o governo do Estado rebata, dizendo que havia, sim, previsão legal para tal. Uma bagatela de R$ 615 milhões, e o povo fica igual a bola de pingue-pongue. Já se chegou a alguma definição ou o paciente corre o risco de ser enterrado vivo? Bom seria que fosse esclarecido se legal ou ilegal, justo ou injusto.

Plano de demissão nos Correios

Os Correios abriram o PDI (Programa de Demissão Incentivada) e esperam desligar 8,2 mil funcionários. A expectativa da empresa é economizar com a folha de pagamento cerca de R$ 800 milhões por ano. Quem optar por sair receberá uma indenização por 96 meses. O valor será calculado com base nos salários recebidos nos últimos cinco anos e o tempo de serviço do empregado, limitado a 35 anos. O prazo para aderir vai até 17 de fevereiro.

Imóveis

Com forte potencial no mercado do Norte de SC, onde vive boa parte de seu público consumidor, a FG Empreendimentos fechou 2016 e abre 2017 completando a entrega de 550 novos apartamentos. O Grupo FG entregou três novos edifícios no segundo semestre e deve entregar outros três no primeiro semestre deste ano.

Menos animais selvagens

Até 2020, dois terços dos animais selvagens serão extintos. A vida está evaporando tão rápido quando no período dos dinossauros. Isso acontece porque os humanos estão passando uma motosserra na árvore da vida. Se não evitarmos esta tragédia, a frágil biodiversidade da Terra pode entrar em colapso total, silenciando o planeta e deixando-o inabitável para humanos. Cientistas de respeito apoiam um plano ambicioso para colocar metade do planeta sob proteção, restaurando a harmonia com a natureza.

Faturamento menor

Com nove folgas nacionais ao longo dos próximos 12 meses, 2017 será o período com mais feriados prolongados dos últimos 10 anos. Boa notícia para os trabalhadores, ruim para a economia. A indústria brasileira poderá perder R$ 66 bilhões com os nove feriados nacionais e três pontos facultativos deste ano. O valor representa 4,4% do PIB soma dos bens e riquezas produzidos no País, o maior percentual registrado desde 2008. É o que aponta o estudo “O Custo Econômico dos Feriados Federais para a Indústria”. Somente em SC, setores do comércio calculam perdas de aproximadamente R$ 1,8 bilhão no faturamento. No entanto, setores de turismo, lazer, gastronomia e serviços podem ser beneficiados com as datas estendidas.

Queda na venda de carros

Com o freio de mão puxado, o setor automotivo encerrou 2016 com queda de 19,47% nas vendas de veículos novos em Santa Catarina na comparação com o ano anterior. O tombo foi menor do que o registrado em 2015, quando a retração calculada pela Fenabrave-SC foi de 29,06%, quando coloca o mercado catarinense nos mesmos patamares de 10 anos atrás. O endividamento das famílias e a restrição das instituições de crédito para liberar o financiamento impactaram os negócios do setor. No Brasil, foram 2 milhões a menos de veículos vendidos em 2016 em relação a 2015, segundo a Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores, o que representou uma queda de 20%.

Multas com desconto

Motorista com veículo registrado em SC já pode pagar multas recebidas em rodovias federais com 40% de desconto ao utilizar o Sistema de Notificação Eletrônica (SNE), disponível para smartphones por meio de aplicativos para os sistemas Android ou iOs. Também é possível se cadastrar pelo site www.serpro.gov.br/sne. A iniciativa é do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e o Detran de Santa Catarina foi um dos primeiros órgãos ao aderir ao sistema, que também já inclui a PRF e o DNIT.

Gás natural

É de 23,95% a redução média na tarifa de gás natural em Santa Catarina, segundo o governo do Estado. O barateamento se deve a uma resolução que atualizou o custo do insumo entre 11 de agosto de 2015 e 30 de novembro do ano passado, quando houve queda no preço da cesta de óleo internacional.

Empresários aprendem nos EUA

Empresários do comércio catarinense participaram da 106ª edição da Feira Mundial do Varejo, em Nova York, nos Estados Unidos. Ouviram executivos de grupos globais e estiveram em workshop sobre diferentes temas. Os tópicos que mais atraíram a atenção foram a relevância das experiências transformadoras de compras; os processos de automação no comércio; e de como os equipamentos auxiliam na otimização da logística para o setor. A Fecomércio liderou o grupo de empresários de Santa Catarina.

Augusto César Diegoli ([email protected])

Deixe sua opinião