Embratur será agência e agora define forma de financiamento

Presidente Vinicius Lummertz falou sobre decisão do governo de transformar a empresa em agência de promoção internacional do turismo

Os ministérios do Turismo e do Planejamento, Sebrae e Embratur, decidiram que a criação de uma agência de promoção internacional do turismo é um bom caminho para aumentar o fluxo de visitantes nacionais e internacionais no país. Nos próximos dias, o grupo de trabalho formado pelos ministros do Turismo, Marx Beltrão, do Planejamento Dyogo Oliveira, o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, e o presidente da Embratur, Vinicius Lummertz, vai apresentar propostas para buscar soluções alternativas de financiamento para a nova agência.

“Importante é que a decisão está tomada e há um diálogo harmonioso entre os órgãos encarregados de encontrar esses meios”, diz o presidente da Embratur, lembrando que a criação da agência tem o apoio das 21 entidades que compõem o Conselho Nacional de Turismo. “Apesar do forte potencial, o Brasil é um dos países que menos investem em turismo”, lembra Lummertz, acrescentando que a Argentina, por exemplo, destina para a promoção turística 70 milhões de dólares por ano e o México 450 milhões de dólares, enquanto que o Brasil investe apenas 19 milhões de dólares.

“Precisamos ampliar o investimento ainda este ano, para que os resultados apareçam em 2017, junto com o esforço que já estamos fazendo apesar dos poucos recursos. E não é só a questão financeira: a agência lidera os movimentos para a liberação de vistos para turistas americanos, canadenses, japoneses e australianos, a ampliação da atração de turistas chineses – que são os que mais viajam pelo planeta – e também a permissão para que empresas aéreas com 100% de capital estrangeiro atuem no Brasil”, explica o presidente da Embratur.

Deixe sua opinião