Detento aprovado no Vestibular de Verão da Udesc fará Ciência da Computação

Um reeducando da Penitenciária Industrial Jucemar Cesconetto, localizada em Joinville, prestou o Vestibular de Verão 2017 da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) e foi aprovado para o curso de Ciência da Computação, do Centro de Ciências Tecnológicas (CCT), em Joinville. O resultado saiu em 13 de dezembro.

Esta foi a segunda vez que as provas ocorreram dentro de penitenciárias, com a inscrição de 114 detentos, sendo 88 (77 homens e 11 mulheres) do Complexo Penitenciário de Florianópolis e 26 (todos homens) de Joinville.

A iniciativa surgiu a partir do projeto de extensão “Novos horizontes: a universidade nos espaços de privação de liberdade”, liderado pela professora Geysa Abreu, do Centro de Ciências Humanas e da Educação (Faed).

“A oportunidade de realizar o processo seletivo permite termos objetivos a buscar, metas a realizar, sonhos a sonhar, caminhos a trilhar, lugares aonde chegar”, declara o presidiário de 33 anos, que prefere manter seu nome sob sigilo.

O detento está em regime aberto e poderá frequentar a universidade mediante a autorização judicial. “Ele estava cursando Engenharia no Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), mas seu sonho era fazer Ciência da Computação na Udesc”, diz a gerente de de Saúde, Ensino e Promoção Social da Penitenciária Industrial Jucemar Cesconetto, Jaqueline Mönster Fachini.

Segundo ela, o presidiário foi detido em dezembro de 2009 e dedicou grande parte do tempo livre aos estudos. “O reeducando foi monitor da biblioteca por três anos e o acesso ao material didático possibilitou seus estudos”, disse.

Jaqueline conta ainda que ele também integrou a banda Acordes Para a Liberdade na função de violinista. Fruto de um projeto de ensino musical realizado na unidade prisional, a banda realiza apresentações em eventos internos e externos, mediante autorização judicial.

Sobre o projeto de extensão

O projeto Novos Horizontes visa implementar uma política de inclusão para internos e egressos do sistema prisional; desenvolver processos de formação para docentes, assistentes sociais e agentes penitenciários; organizar o acervo bibliográfico do complexo de Florianópolis; e elaborar planejamentos compartilhados entre docentes que possam contribuir para uma unidade na formação dos reeducandos.

A equipe do Novos Horizontes é multidisciplinar, com professores das áreas de Pedagogia, Biblioteconomia, História, Artes Cênicas, Matemática e Arquitetura e Urbanismo, além de técnicos de Serviço Social, e tem o apoio do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC), da Academia de Justiça e Cidadania (Acadejuc), da Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania (SJC) e do Departamento de Administração Prisional (Deap).

O projeto é desenvolvido no âmbito do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab), entidade da Udesc Faed que é coordenada pelo professor Paulino Cardoso.

Deixe sua opinião