Defesa de homem que matou namorada em Balneário Camboriú alega insanidade mental

A defesa de Paulo Carvalho Souza, 42, que admitiu ter matado a namorada em Balneário Camboriú, crime que virou notícia em todo o Brasil, alega insanidade mental de seu cliente.

De acordo com informações do site NSC Total, foram encontrado no apartamento de Paulo receitas médicas para depressão e um caderno contendo anotações com “alucinações”.

Delegado diz não acreditar em insanidade

O delegado do caso, Ícaro Freitas Malveira, disse que a polícia vai apurar essa alegação, porém diz não acreditar.

– A depressão aflige grande parte da população, e nem por isso as pessoas saem matando as outras – afirmou.

Além do mais, de acordo com o delegado, é possível que Paulo tivesse planejado como escapar do caso:

– Vamos apurar no inquérito, mas acredito que estava criando uma situação para obter benefício no processo criminal. Ele inclusive relatava que conhecia as técnicas criminais – disse o delegado.

O crime

Lucimara Stasiak, 30 anos estava morta há seis dias, dentro do apartamento. Ela teria sido assassinada durante uma briga do casal, que foi ouvida por vizinhos.

Paulo Carvalho Souza confessou o assassinato, e a partir daí desenrolou-se por mais de 24 horas a rendição do suspeito, que ameaçava se jogar da sacada de seu apartamento em Balneário Camboriú.

Deixe sua opinião