Decifrando o Economês -“Muitos ganhando pouco e poucos ganhando muito!”

Ouvimos diariamente que o Brasil é um país rico, que temos riquezas naturais, temos minérios, florestas, grandes plantações e muito mais. Mas, sabemos que essa riqueza toda, não é de todos e nem todos tem acesso. No nosso país, muitos ganham pouco e poucos ganham muito. A grande concentração de renda está somente na mão de poucos, empresários, latifundiários e políticos. Vivemos num país onde a distribuição dessa renda é ridícula. Só para termos conhecimento do que estamos tratando, leia um trecho da reportagem, extraída da página da internet do Uol Economia:

“Os brasileiros mais ricos (aqueles que estão entre os 0,1% com mais dinheiro) recebem, em média, R$ 190 mil por mês. Uma pessoa que ganha um salário mínimo levaria 18,5 anos trabalhando para ganhar a mesma coisa. Essa é uma das conclusões do estudo A Distância Que Nos Une”, lançado nesta segunda-feira (25) pela Oxfam Brasil, ONG que combate a desigualdade. Para os cálculos, foram usados dados de 2015, quando o salário mínimo no Brasil era de R$ 788. Os dados de renda são da Receita Federal, de acordo com a Oxfam. O estudo ainda cita um dado divulgado pela própria ONG em relatório de janeiro: os seis homens mais ricos do Brasil concentram a mesma riqueza que toda a metade mais pobre da população do país, mais de 100 milhões de pessoas. Os 5% mais ricos recebem o mesmo que os demais 95%, juntos, de acordo com a análise.”

Fonte: <https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2017/09/25/estudo-desigualdade-social-renda-oxfam.htm> Acesso em 25 set 2017.

E tem mais, a pesquisa mostra também que além disso, aqueles que são considerados como super ricos, representam apenas 0,1% da população brasileira. Um trabalhador que ganha um salário mínimo, hoje de R$ 937,00, teria que trabalhar por 19 anos seguidos para ganhar, o que ganha esses super ricos, num mês. A renda per capita da mulher é 66,2% inferior à dos homens, e há ainda a desigualdade de raças, pois os negros também, ganham menos.

Uma das consequências também, em relação a concentração de renda, é que a desigualdade social que o país possui é grande. O IDH que é o Índice de Desenvolvimento Humano, com dados de 2015, ultimamente divulgado coloca o Brasil no 79º lugar entre 188 nações no ranking de IDH. O IDH leva em conta indicadores de educação, renda e saúde. Isso significa que os problemas sociais existem. Empatamos com Coreia do Sul e Panamá na desigualdade social. As Organização das Nações Unidas (ONU) fizeram um levantamento e constataram que, o percentual de desigualdade de renda no Brasil é de 37%. Superior ao da média da América Latina, que é de 34,9%.

Então, estamos muito longe do desejado. Essa diferença só vai se reduzir se conseguirmos ter um país economicamente organizado e sem corrupção. Utopia? Não! Ainda acredito que melhores dias virão.

Curiosidade

Os Cinco homens mais ricos do Brasil:

1º Jorge Paulo Lemann – U$29.2 bilhões – Anheuser-Busch Inbev

2º José Safra – U$20.5 bilhões – Banco Safra

3º Marcel Herrmann Telles – U$14.8 bilhões – Anheuser-Busch Inbev

4º Carlos Alberto Sicupira – U$12.5 bilhões – Anheuser-Busch Inbev

5º Eduardo Saverin – US$ 7.9 bilhões – Facebook e investimentos

Fonte: <http://top10mais.org/top-10-homens-mais-ricos-do-brasil/#ixzz4tiXHKASU> – Acesso em 25 set 2017.

Quer saber mais sobre Economia?

[email protected]

Professor Arilson Fagundes

Economista e Matemático

Deixe sua opinião