Clubes de reúnem para discutir mudanças no futebol amador

Representantes de algumas das principais equipes de futebol amador de Brusque se reuniram na noite de segunda-feira (18) em reunião na Sociedade Santos Dumont. Em pauta o assunto foi o futuro do futebol amador na cidade, após o encerramento de um campeonato polêmico, e sem a participação da Fundação Municipal de Esportes.

A iniciativa partiu dos próprios atletas, entre eles Leandro Ballan, goleiro do Paysandu, e Valdecir Alves de Souza, o Souza, atleta do São Leopoldo. Participaram ainda outros representantes de equipes como Paysandu, América, Sete de Setembro e River Plate. O Carlos Renaux não conseguiu mandar representante, mas por meio do seu técnico, Juliano Batista, diz que é favorável a iniciativa e será fará presente nos próximos momentos.

Foi consenso entre todos que chegou a hora de os clubes se unirem para fortalecer a competição. “Hoje, vemos cidades menores como Guabiruba, Botuverá, Nova Trento e São João Batista servindo de exemplos para a gente, quando deveria ser o contrário. Estamos em uma cidade com 120 mil habitantes e não conseguimos montar um campeonato amador que seja referência”, questiona Ballan.

Foi observado que nas cidades acima, por exemplo, as prefeituras locais custeiam 100% do valor da arbitragem. Em Brusque, até o ano passado, quando a FME ainda organizava, este valor era de 50%, como nível de comparação.

Mas o debate principal ficou acerca da necessidade de união dos clubes para que a competição seja independente em sua concepção. Souza defende que é o momento das equipes se organizarem para realizar uma competição de qualidade.

Foi apresentado na ocasião uma ideia de competição viabilizada pelos clubes que pode posteriormente ter o apoio da FME em sua organização, conforme decisão que será tomada num segundo momento com a presença de outros clubes. A possibilidade de criação de uma associação foi sugerida para representar as equipes junto ao poder público.

A ideia é de que todas as equipes que participem da competição consigam demonstrar capacidade estrutural e financeira para a disputa, valorizando, assim, o campeonato. Em razão disso foi discutido a necessidade de bolas padrão de jogo, que cada time tenha apenas dois uniformes, e ações de marketing para divulgar a competição. A intenção é que com uma competição organizada, os clubes se fortaleçam, as rivalidades locais sejam aguçadas e consequentemente o futebol amador volte a ter força junto a sociedade e ao meio empresarial.

Os clubes ainda discutiram a possibilidade de trabalharem em conjunto para angariar patrocínios para a competição, seguindo um modelo padrão de projeto. Ao que parece, a reunião agradou todos os envolvidos, que foram unanimes quanto as propostas.

“É um momento muito importante. Fiquei muito elogiado e agradecido pelo convite. A ideia é muito boa e acho que tem que ser assim. Temos que nos organizar para que não aconteça mais o que ocorreu neste ano de 2017”, defende Gerson Rodrigues, representante do Clube Esportivo Paysandu. “Como os empresários vão apoiar um clube e um campeonato se é algo que não tem credibilidade”, questiona. “Brusque já teve campeonatos muito bons, mas há anos que vêm caindo”, completa.

Para Carioca, do América, a reunião foi excelente. “Pelo menos no meu ponto de vista e acredito que no ponto de vista de outras equipes foi muito positiva. Vamos abraçar essa causa para juntos fortalecermos o campeonato amador e também buscar o apoio da prefeitura para termos uma grande competição”, diz.

Anderson Bald Schorr, do Sete de Setembro, é outro que avalia a reunião de forma positiva. “Achei muito importante. É o momento de os times fazerem uma coisa bem organizada, com patrocínio, para gente divulgar melhor, e também termos força para chegar na prefeitura. Assim, acho que conseguiremos frutos melhores”, comenta.

Para Leandro Ballan, a reunião atendeu todas as expectativas. “Achamos muito positiva. Creio que numa próxima reunião o pessoal virá em maior número e também aprovará essa ideia, como foi hoje, por unanimidade. É uma iniciativa muito boa e ficamos felizes que todos gostaram. Creio que na próxima reunião essa ideia sairá ainda mais fortalecida”, diz.

Deixe sua opinião