Campanha da Fraternidade 2017: biólogo defende concertação entre homem e natureza

Diante da elite dirigente da Igreja Católica em Santa Catarina, o biólogo Ademir Reis, curador do Herbário Barbosa Rodrigues, de Itajaí, defendeu uma nova concertação entre o homem e a natureza. “O homem ainda não sabe conviver com os ecossistemas, mas todos têm de cumprir seu papel, o que significa o compromisso de aprender a viver em concertação (harmonia) com a natureza”, declarou Reis durante a sessão especial alusiva à Campanha da Fraternidade 2017 “Biomas brasileiros e defesa da vida”, realizada na noite dessa segunda-feira (6), na Assembleia Legislativa.

Paradoxalmente, Reis contrapôs o politeísmo ao monoteísmo judaico-cristão e apontou vantagens do primeiro no relacionamento entre o homem e o meio natural. ‘Os povos politeístas como os asiáticos e indígenas veem na natureza formas de deuses, mas nós (que cremos) em um só deus temos uma relação diferente com a natureza, de explorar de qualquer jeito”, criticou o diretor do herbário fundado pelo mítico padre Raulino Reitz, em 1942.

O biólogo citou o exemplo das pragas, biblicamente associadas ao mal. “A natureza não tem coisas ruins, nós é que queremos produzir o máximo, mas as ‘pragas’ são seres importantíssimos, por isso a importância da agricultura orgânica”, ensinou Reis, que destacou a situação do solo. “O elemento solo é esquecido, mas é essencial, ali está a possibilidade das plantas buscarem seus nutrientes e transformar a energia do sol em alimento, há muito mais seres vivos no solo que no ar, são milhões de microorganismos ameaçados pela tecnologia e pelo uso excessivo de agrotóxicos”, lamentou o naturalista.

Padre Pedro Baldissera (PT), propositor da sessão especial, argumentou que a Campanha da Fraternidade 2017 reforça a ideia de ecologia integral. “Temos de cuidar da casa comum, cultivar e guardar a obra da criação, a natureza não é algo separado, desvinculado de nós, não estamos sozinhos, somos e fazemos parte de um todo, há uma relação de reciprocidade”, afirmou o deputado.

Segundo o presidente da Regional Sul 4 da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom João Francisco Salm, “podemos constatar com nossos olhos que o meio ambiente sofre degradação de quem devia cuidar”. Para o bispo de Tubarão, a situação é de preocupação e de esperança. Citando Isaías, o profeta que assistiu o declínio de Israel e previu a vinda do Messias, dom João Francisco garantiu que a “terra voltará a ser um grande jardim”, desde que cada um faça a sua parte, “governos, empresários, famílias e cidadãos”.

Silvio Dreveck (PP), presidente da Casa, concordou com a ideia de responsabilidade solidária e citou o exemplo do saneamento básico. “Todos somos responsáveis, quando você faz uma rede de esgoto e não obriga o proprietário a fazer a ligação, de nada adianta o dinheiro investido”, avaliou Dreveck.

O mau exemplo catarinense
Apesar do estado possuir a terceira maior reserva de mata atlântica do país, entre 2012 e 2013, de acordo com Padre Pedro, cerca de 700 hectares deste bioma foram destruídos. “As principais razões foram exploração da madeira, mineração, especulação imobiliária e a pecuária”, informou o parlamentar.

Padre Pedro também ponderou os efeitos da implantação de hidroelétricas. “Tem um caso emblemático no rio Uruguai, uma construção com base em um estudo de impacto ambiental fraudado e que resultou na perda para sempre de 6 mil hectares de araucárias, quase 3 mil hectares de floresta primária”, lembrou o representante de Guaraciaba.

Ademir Reis também ironizou a mistificação de que Santa Catarina é um estado fantástico, sem problemas. “Temos rios com PH três e a zona de mineração do Sul do estado é a área mais poluída do Brasil”, frisou o biólogo, que comparou os dejetos do carvão ao desastre de Mariana, em Minas Gerais. “O problema do Sul do estado é mais grave”.

Concertação ideal
O curador do Herbário Barbosa Rodrigues apresentou a bracatinga, árvore nativa e muito comum no estado, como um modelo ideal de concertação. “A bracatinga fornece lenha, mel e interage com a fauna. A árvore cresce rápido e deixa crescer a cochonilha, que suga o açúcar e solta um tipo de mel, aí vem a abelha e o homem, mas ela cumpre a sua função, entrega sua energia a outros seres vivos e depois morre”.

Sessão concorrida
Lideranças da Igreja Católica lotaram as galerias do plenário Osni Régis, com destaque para a presença do arcebispo metropolitano de Florianópolis, dom Wilson Tadeu Jönck, além dos bispos de Lages, Caçador, Chapecó, Blumenau, Tubarão e Joinville.

Também prestigiaram a solenidade representantes do Exército e da Polícia Militar, da Caritas do Brasil, do Apostolado da Oração, do Fórum das Pastorais Sociais, da Pastoral da Juventude, do Movimento Apostólico de Schoenstatt, dirigentes do Colégio Catarinense, assim como o capelão do Hospital de Caridade, Pedro José Koehler, padres, freiras e fieis.

 

Homenageados da noite

 

·      Movimento dos Atingidos por Barragens, representado por Pedro Melchior

·      Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, representado por Dorival dos Santos

·      Movimento das Mulheres Camponesas, representada por Justina Sima

·      Revolução dos Baldinhos (comunidade Chico Mendes, na Capital), representada por Rose Helena de Souza

·      Comunidade indígena Morro dos Cavalos, de Palhoça, representada por Eunice Antunes Kerexu
·      ONG Setembro Verde, representada por Aquelino Deitos

·      Associação Catarinense de Apicultura, representada por Antonio Melo

·      Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), representado por Mauro José Velho

·      Ponta do Coral 100% Pública, representada por Loureci Ribeiro

·      Padre Ney Brasil, in memoriam, representado pelo sobrinho, Guilherme Scharf Neto

·      Pastoral da Saúde da Regional Sul 4 da CNBB, representada por Jaci Helena PerottoniPetroni

·      Prefeitura de Orleans, representada pelo chefe de gabinete, Gabriel Bianco

·      Programa ReOléo, representado por Luiz Antonio Falcão de Moura

·      Farmácia da Natureza, representada por Alécio dos Passos Santos, servidor do Legislativo

Deixe sua opinião