BRUSQUE E CORINTHIANS: DE IGUAL PARA IGUAL (I)

Estádio Augusto Bauer, quarta-feira (1), 21h45. Milhares de torcedores de Corinthians e Brusque se acotovelavam esperando o jogo de futebol ter início. “Abrem-se as cortinas, começa o espetáculo!”, diria um dos narradores do passado. Em campo, as duas equipes atuaram de igual para igual: apáticas, emboladas, determinadas mas pouco criativas, “espetáculo” reverenciado apenas para quem é fanático por futebol. A propósito, teve jogo de futebol? “Pelo amor dos meus filhinhos”, resmungaria outro narrador esportivo dos tempos em que de fato se “jogava futebol de qualidade”.

Deixe sua opinião