AZAMBUJA DEVERÁ FAZER 15 MIL ATENDIMENTOS POR MÊS EM 2017

A previsão da administração do Hospital de Azambuja é realizar 15 mil atendimentos por mês em 2017. A declaração é do administrador do hospital, Fabiano Amorim, considerando que em 2016 foram mais de 13 mil atendimentos por mês, e a clientela tem crescido significativamente com demandas de Brusque, Itajaí, Blumenau e Balneário Camboriú. A ouvidoria do hospital tem baixo índice de reclamações: 20 reclamações por mês.

“O Hospital de Azambuja tem hoje um dos melhores centros de imagem de Santa Catarina”, lembrou Amorim. Ele anunciou que a planta para a ampliação do pronto socorro já está pronta, com previsão de passar dos atuais nove leitos para 25, em 2018. O hospital, segundo ele, “está sempre com projetos novos”, destacando suas parcerias com o Hospital Einstein e a UNIFEBE, ampliando o número de profissionais qualificados para o atendimento.

“Os novos equipamentos adquiridos já chegaram”, afirmou. Foram investidos mais de R$ 120 mil em instrumental cirúrgico. Atualmente, a maior parte dos atendimentos é via SUS. “A burocracia SUS tem que ser respeitada, o que dificulta nosso trabalho”, reconheceu Amorim. “Mas, em nenhum momento deixamos de atender via SUS, só não podemos descuidar do equilíbrio financeiro”, ponderou.

Amorim anunciou o início das atividades do consultório de especialidades. Para ser atendido, o paciente precisa apenas ligar e agendar a consulta. Entre as especialidades estão clínica geral, endoscopia digestiva, mastologista, oncologia, hematologia, alergia, imunologia e otorrinolaringologia. Atendimentos de ginecologia e obstetrícia são realizados de segunda-feira a sexta-feira, das 19 às 21h30.

O administrador também revelou a intenção de laboratórios europeus em criar no Hospital de Azambuja a Clínica de Pesquisa em Novos Medicamentos em Oncologia, sem data prevista para o início das negociações. O projeto foi apresentado à Vigilância Sanitária de Santa Catarina, transformando o Hospital Azambuja em referência estadual em novas medicações no tratamento oncológico.

Deixe sua opinião