Assembleia de serventes e merendeiras lutam por insalubridade e dizem não a privatização

Com os laudos técnicos de insalubridade e periculosidade em mãos, recebidos na tarde do dia da assembleia, o SINSEB discutiu com as categorias de serventes e merendeiras escolares os próximos passos de suas lutas.
A reunião foi coordenada pelo presidente do sindicato Orlando, Dra. Albaneza esclareceu aos presentes os aspectos legais e situou a luta em três grupos: as que recebem, as que recebiam até 2010 enquanto eram ACTs e as que nunca receberam insalubridade. A assessoria jurídica do sindicato lembrou também que nossa obrigação é apenas com os associados.
A vice-presidente Tânia elogiou o desempenho das serventes e merendeiras de Brusque e lembrou que em 2015, graças ao trabalho delas e condições fornecidas pela gestão, a merenda de Brusque foi referência nacional.
Foi aprovado a contratação pelo SINSEB de uma empresa que fará amostragem das condições ambientais do trabalho de quatro educandários de Brusque, sendo acompanhados pelo sindicato e por duas representantes da categoria. Foram eleitas a merendeira Ritinha e a servente escolar Ionice.

PRIVATIZAÇÃO FOI ALERTADA PELO ASSESSOR ECONÔMICO JOÃO BATISTA.

Para entrada do Estado mínimo no setor público, algumas prática são conhecidas, tais como precarização das condições de trabalho, com falta de produtos mínimos como detergentes e desqualificação das pessoas que trabalham como merendeiras e serventes perante a comunidade são as formas mais conhecidas de sabotar o serviço público para deixar entrar a terceirização, alerta o economista. “Queremos fazer o debate sério, com argumentos econômicos e pedagógicos. E não é com pareceres das próprias empresas interessadas na terceirização que esse debate pode ser feito. Quais os interesses por trás disso?” questiona o assessor econômico.
o encontro terminou com aprovação por unanimidade de um plano de lutas contra a privatização da merenda escolar, envolvendo apoio da comunidade escolar, associações de moradores, entidades sindicais, agentes políticos e demais servidores.

 

Deixe sua opinião