AACSP e Unifebe apresentam figurinos ricos em detalhes para o espetáculo “Paixão e Morte de um Homem Livre”

Associação Artístico Cultural São Pedro (AACSP) e o curso de Design de Moda do Centro Universitário de Brusque (Unifebe) desenvolveram os novos trajes dos soldados para o espetáculo “Paixão e Morte de um Homem Livre”, que será encenado em Guabiruba na Páscoa 2017. “É um trabalho de pesquisa valioso. Quem acompanha mais de perto os preparativos desta edição já pode ver a diferença. Foi uma grande parceria, tudo está muito lindo e vamos fazer um bom proveito”, disse o presidente da AACSP, Marcelo do Nascimento.

Diretor do espetáculo, Marcelo Carminatti também ficou satisfeito com o projeto recebido. Segundo ele, o contato inicial foi com o reitor da Universidade, Günther Lother Pertschy, e com o coordenador do curso de Design de Moda, Rodrigo Zen. Depois que o convênio foi firmado, a diretoria da Associação visitou os acadêmicos da 2ª fase do curso de Design de Moda entre as disciplinas de Projeto de Moda I, Tecnologia Experimental do Vestuário e Desenho de Moda.

“O objetivo era apresentar a entidade, falar sobre o que era o teatro e qual a proposta que os estudantes desenvolveriam dentro desta peça, ainda para a edição de 2017. Nós acompanhamos o trabalho, levamos alguns os figurinos que já temos como exemplo e o resultado nos foi entregue em mãos, pelo coordenador Rodrigo Zen. A pesquisa realizada foi de suma importância e vai servir não apenas para esta edição, mas, também, para trabalhos futuros”, avaliou Carminatti.

De acordo com o coordenador do curso de Design de Moda da Unifebe, Rodrigo Zen, o convênio com a AACSP acabou se transformando em projeto de extensão. “A partir do briefing, foram realizadas as pesquisas em livros relacionados à História da Indumentária, filmes como Ben Hur, A Paixão de Cristo, entre outros. Apesar de ser uma peça, é importante se manter a verdade histórica das características dos figurinos propostos”, contou.

Zen explicou que os acadêmicos se reuniram em grupo e passaram a desenvolver propostas para os soldados que compõem a peça. “Durante o processo, os acadêmicos precisaram analisar como os trajes seriam confeccionados e que materiais poderiam ser utilizados para a confecção, analisando também o conforto necessário para os atores e a maneira de vestir”, ressaltou. Ao final, cada grupo apresentou duas propostas desenhadas e alguns acadêmicos ainda indicaram os materiais que deveriam ser utilizados, trazendo detalhes importantes e relevância histórica.

Deixe sua opinião